Arquivo da tag: Pará

As Mulheres do Sistema – Women of the System

Photos and article: Alessandro Filizzola
English translation: Catherine Spreadbury

Das margens do Rio Amazonas no norte do Brasil vem o exemplo de como a humanização do sistema carcerário aliado ao empreendedorismo podem ser poderosos aliados na redução da violência e da criminalidade. Em junho de 2018 tive a oportunidade visitar o Presídio Feminino do Estado do Pará e de conhecer de perto e documentar o premiado trabalho realizado por eles. Trabalho este que hoje é modelo para todo o sistema carcerário do Brasil e vem sendo foco de reportagens não só no Brasil como no mundo. A idea era fotografar o dia dia destas mulheres, tanto das detentas, quanto das funcionárias, mas lá encontrei muito mais do que poderia esperar.

From the banks of the Amazon river in northern Brazil comes an example of how the humanization of the prison system and entrepreneurship can be powerful allies in the reduction of violence and criminality. In June 2018, I had the opportunity to visit the Pará female state prison and to get up close and document the prize-winning work carried out there. This work today serves as a model for the entire prison system in Brazil and has been reported on not only in Brazil but in the rest of the world too. The idea was to photograph the day to day life of these women, both inmates and the staff, but I found much more there than I could have hoped for.

View of the patio between the cells in one of the courtyards.

Bandido bom é bandido morto. Provavelmente você já ouviu esta frase dita por alguém em tom de solução definitiva para a criminalidade. A redução do problema à desumanização do infrator pela negação do seu direito à vida e, por consequência, do direito ao perdão, à dignidade e à qualquer forma de recuperação. Mas, e se o bandido em questão for um ente querido? Não que alguém próximo possa se reduzir a tanto. 

To many Brazilians, the phrase “the only good criminal is a dead criminal” is a commonly heard saying. Many people have heard this phrase used as if it were a definitive solution for criminality. The reduction of the problem by dehumanizing perpetrators in order to deny their right to life and consequently, the loss of their right to forgiveness, to dignity and to any form of rehabilitation. However, what if the criminal in question were a loved one? Not that anyone that close to you would reduce themselves to this little.

Afinal, isso só acontece com os outros, não é mesmo? Mas aí, neste distante exemplo, talvez você queira então modificar o final da frase mais ou menos assim: bandido bom é bandido morto… desde que ele não seja o seu filho, ou a sua mãe, ou alguém que você ame. Aí talvez você acredite que a recuperação seja possível. E que a recuperação – que não se confunda com impunidade – deva ser promovida durante o encarceramento, para que, ao final da pena, uma pessoa com novas perspectivas, e que tenha pagado por seus crimes, seja então aceita e recebida mais uma vez no seio na sociedade. Com este pensamento, a Dr. Carmen Gomes, diretora do presídio, criou a Coostafe – Cooperativa Social de Trabalho Arte Feminina Empreendedora é a primeira cooperativa de mulheres encarceradas do Brasil.

Continuar lendo As Mulheres do Sistema – Women of the System

Anúncios

Miriti Pop

Recentemente fui convidado a participar de um trabalho fotográfico inusitado, decorar a área de uma churrasqueira! A idéia foi da minha amiga Ana Laura, de Belém do Pará, que inaugurou recentemente este espaço na casa nova dela e decidiu alegrar o ambiente com imagens dos brinquedos de miriti, tão tradicionais na cultura paraense. Com base numa seleção de fotos que fiz a partir do meu acervo de imagens sobre o Círio de 2007, ela mandou envelopar com filme as janelas, freezer e alguns outros detalhes do lugar, dando a idéia de quadros ao mesmo tempo em que também funcionam como cortinas.  

Continuar lendo Miriti Pop

Rota BBB Brasil 2009 – 3 capitais, 3 Bs, 3 dias e quase 3.000 km

(Belo Horizonte, Brasília e Belém pela 040 e Belém-Brasília)

 

mapa-bbb-jan2009

 (http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&tab=wl)

 

Pra quem gosta de estrada, este é um roteiro no mínimo interessante de se fazer. Dá pra cortar o Brasil quase que pela metade e percorrer boa parte do seu interior conhecendo lugares de grande beleza e peculiaridades.

  Continuar lendo Rota BBB Brasil 2009 – 3 capitais, 3 Bs, 3 dias e quase 3.000 km

Pôpôpôs (em Minas, pópópós)

 

Atendendo a um pedido da minha queria amiga e mestra Carmen Ribas, publico algumas fotos de Pôpôpôs, tradicionais embarcações que recebem este onomatopaico e peculiar nome devido ao característico som que seus motores à diesel ecoam pelos rios da Amazônia.

 

Para fazer o download, é só clicar na imagem para ampliar, clicar novamente pra apliar na página inteira, e depois clicar sobre a apliação com o botão direito do mouse selecionar “salvar como” para transferi-la para o seu computador.

 

O uso delas é livre, apenas lembre-se de incluir os créditos (‘alefilizzola.com’ ou ´Alessandro Filizzola´) na foto, ok?!

Memorial da graduação publicitária

O site recebeu uma página de portifólio e um álbum fotográfico com trabalhos diversos. Com isto ele atinge sua estrutura mínima para ser lançado oficialmente.

 

 Como ele foi concebido a partir do meu projeto da monografia de conclusão do curso de produção publicitária (TCC), aproveito a deixa para fazer aqui uma galeria retrospectiva dos trabalhos de conclusão de cada módulo do curso (TCMs).

TCM 04 – Olhando Belém (jun 2008)

 marca-olhando-belem-c-area-maior-de-protecao-rgb

 layout-postais-olhando-belem-redux

Sobre a concepção deste trabalho

 

A capital paraense apresenta uma característica peculiar e em contra-senso com o que ocorre na maioria das cidades banhadas pelo mar — no caso de Belém, um “rio-mar”, as águas da Baia do Guajará — e com exuberantes recursos naturais: ela cresceu “de costas” para eles.

  Continuar lendo TCM 04 – Olhando Belém (jun 2008)

TCM 03 – Círio: fé e arte de um povo (nov 2007)

jornal - anúncio tcc círio 2007

marca tcm círio 2007

O desafio era desenvolver uma campanha de divulgação do Círio de Nazaré para além das divisas do estado do Pará, onde ele acontece. Foi um projeto de caráter experimental que causou alguma polêmica, brincando com a profusão de elementos e cores tão características desta festa.

O Círio de Nazaré foi trabalhado de maneira abrangente, destacando suas principais referências, através de imagens expressivas, e informando sobre seu significado com breves textos de apoio.

O objetivo da campanha desenvolvida é familiarizar a população brasileira com este evento e divulgar valores da cultura e identidade paraense, através de uma abordagem institucional, e preparando terreno para que, no futuro, ações promocionais sejam realizadas.

Este trabalho foi realizado sob a orientação da Professora e Coordenadora Marina Castro, do curso de Produção Publicitária da FAZ, Belém, Pará, durante o segundo semestre de 2007.

contém:

  • História do Círio
  • Aspéctos culturais e sociais
  • Iconografia
  • Fotos
  • Conceito de design
  • Planejamento de campanha publicitária
  • Proposta de arte para peças diversas:
    • Souvenirs
    • Postais
    • Cartazes
    • Anúncios
    • Outdoor
  • Plano de mídia com veículos e estimativas de investimento
  • Estimativa orçamentária para o desenvolvimento de uma campanha

_______________________

Clique aqui pra baixar o trabalho completo: “Círio, Fé e Arte de um Povo”

_______________________

Obs.: Todas as peças desta campanha sobre o Círio foram desenvolvidas seguindo um grid básico de alinhamento e proporções que orientava à diagramação.

outdoor - tcc círio 2007

grid 1 - aplicações de - tcc círio 2007

.

TCM 02 – Sou cego, mas é você que não me vê (jun 2007)

 

marca-cegos

capa-heraldo-cegos

Sobre este trabalho

 

A APPD (Associação Paraense das Pessoas com Deficiência) foi escolhida como a destinatária do estudo e esforços de campanha. Como as diferentes deficiências exigem diferentes abordagens, definiu-se como meta da ação, a deficiência visual.

 

Continuar lendo TCM 02 – Sou cego, mas é você que não me vê (jun 2007)

TCM 01 – Eleltro Guitarrada

capas_eletro-guitarrada_alefilizzola1

 

Este trabalho, desenvolvido em parceria com Michelle Maia e Alessandro Machado, propõe 4 soluções gráficas baseadas em públicos distintos, mas dentro de um mesmo conceito central.  Um trabalho de flexibilização d aplicação que explora os signos presentes em cada um dos contextos. Nele há ainda um estudo tipográfico baseado na pesquisa de tipos realizada por Fernanda Martins sobre as embarcações na Amazônia.

 

O projeto foi baseado no seguinte briefing:

 

Continuar lendo TCM 01 – Eleltro Guitarrada